Bancada Sulista

Bancada Sulista

NOTÍCIAS

Visto eletrônico deve atrair 25% a mais de turistas japoneses para o Brasil

Tamanho da letra A+ A-
Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), iniciativa pode aumentar em até 25% fluxo turístico entre os países, ou seja, trazer 20 mil japoneses a mais para o Brasil. Em 2016, cerca de 80 mil japoneses escolheram o país como destino de viagem

Os turistas japoneses têm um estímulo a mais para visitar o Brasil. Entrou em vigor, nesta quinta-feira (11), a emissão de visto eletrônico para visitantes do país asiático que desejam conhecer os destinos turísticos brasileiros.

Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), a iniciativa pode aumentar em até 25% o fluxo turístico entre os países, ou seja, trazer 20 mil japoneses a mais para o Brasil. Em 2016, cerca de 80 mil japoneses escolheram o país como destino de viagem.

Todo o período de solicitação, pagamento de taxas, análise, concessão e emissão de visto terá duração de até 72 horas. Antes do benefício, o processo durava cerca de 40 dias. O Japão é o segundo país beneficiado pelo sistema de emissão de vistos eletrônicos.

A iniciativa faz parte do Brasil + Turismo, programa do Governo Federal coordenado pelo Ministério do Turismo. A concessão do visto eletrônico para australianos foi a primeira ação, em novembro de 2017. Canadá e Estados Unidos passam a contar com a facilidade a partir dos dias 18 e 25 de janeiro, respectivamente.

No dia 22 de janeiro, acontecerá uma solenidade para divulgação da ação na Embaixada do Brasil, em Tóquio, com a presença de representantes do MTur e Embratur. O presidente da Embratur, Vinicius Lummertz considera o visto eletrônico um avanço que irá alavancar o ingresso de turistas internacionais para o Brasil e faz parte de uma ação de promoção conjunta com países do Mercosul.

“O visto eletrônico é importante para atração de mais estrangeiros, ingresso de divisas e, mais que isso, faz parte de uma estratégia conjunta com a Argentina para atração de turistas de mercados distantes, especialmente da Ásia, continente com intensa emissão de turistas pelo mundo. A facilidade e agilidade que o novo sistema oferece é um estímulo para que mais turistas dessa região conheçam a rica cultura e se encantem com os parques naturais brasileiros", afirma Lummertz.

O mercado japonês está em expansão e integra a lista países prioritários da Embratur. Atualmente, o país ocupa a 17ª posição no ranking de emissores internacionais para o Brasil. Segundo dados do Anuário Estatístico de Turismo 2017 do Ministério do Turismo, no ano de 2016, o total de turistas japoneses que estiveram no Brasil foi de 79.754, crescimento de 14% em relação ao ano anterior. Os japoneses foram responsáveis pela injeção de US$ 81,3 milhões na economia nacional.

“O turismo é um setor extremamente estratégico que movimenta mais de 50 segmentos da economia e já deu mostras em diversas partes do mundo que pode ajudar no desenvolvimento de economias complexas como a brasileira”, defende o ministro do Turismo, Marx Beltrão. 

O turista japonês que visitou o Brasil, em 2016, veio motivado por Negócios (49,9%), seguido por Lazer (28%). Os principais destinos visitados pelos turistas de negócios foram: Rio de Janeiro, São Paulo, Campinas, Manaus e Porto Alegre. O gasto diário aproximado no Brasil desse visitante foi de US$ 86,69. Já a permanência média no País foi de 13,5 dias.

E-VISA

O Programa de Visto de Visita por Meio Eletrônico é resultado de uma ação conjunta do Ministério das Relações Exteriores, Ministério do Turismo e Embratur para gerar rapidez e comodidade à solicitação de visto para o Brasil e aumenta a eficiência na prestação dos serviços consulares.

O turista estrangeiro dos países beneficiados poderá requerer o E-visa e obtê-lo de forma remota, em até 72 horas, via website (www.vfsglobal.com/brazil-evisa) ou aplicativo em celular ou tablet. O beneficiário deverá apresentar à companhia aérea, em uma primeira fase do projeto, cópia impressa ou imagem digitalizada do visto eletrônico para poder embarcar para o Brasil.

O E-visa brasileiro custa US$ 40,00, valor consideravelmente mais barato que o visto tradicional, terá validade máxima de dois anos e não exclui a possibilidade de o interessado solicitar visto na forma tradicional, por meio da rede consular brasileira.

Artur Hugen, com Ascom/Embratur/Foto: Divulgação

Vídeos

Luiz Carlos Hauly fala ao Bancada Sulista

12 de Janeiro, 2018 às 14:45

Mais vídeos